segunda-feira, 25 de fevereiro de 2019

Pedras de Raio: Você já viu uma delas? É um Fenômeno da Natureza ou obra de mãos humanas?

Nesta época de chuvas aqui no Brasil, em especial em áreas do litoral ou em grandes cidades onde o clima é mais propício para a formação das famosas nuvens de tempestades, as Cúmulos-nimbos, é comum que um fenômeno muito admirado, e as vezes temidos por muitos, surja no céu: O raio.


Depois de uma série de acontecimentos e da "mágica" da Natureza, uma enorme e poderosa carga elétrica é lançada de encontro ao solo, dando além de um espetáculo de luz e som, um motivo para qualquer pessoa não ficar em seu caminho, pois apesar de sua beleza, raios podem ser mortais, além de poderem causar grandes estragos à monumentos e na vegetação, como árvores por exemplo.

Recentemente, uma coisa chamou minha atenção e resolvi pesquisar a respeito: Você já ouvi falar sobre "Pedras de Raio"?



Pois bem, essa história não é de hoje, e se você falar sobre isso com o pessoal das antigas, provavelmente eles vão ter alguma história bem interessante para te contar a respeito.
Segundo a lenda, a tal pedra se forma quando o raio cai, deixando para trás o que até hoje é conhecido por muita gente como "Pedra de Raio".

A informação para muitos pode parecer inusitada, e fica ainda mais quando se pesquisa sobre o assunto. As histórias são muitas e podem variar dependendo do local em que elas são contadas. Na maior parte dos casos, o que se diz é que essas pedras, depois que são deixadas pelos raios ficam enterradas à exatos sete palmos abaixo da terra, e a cada ano a mesma sobe um palmo por vez até ser encontrada por alguém.


Em algumas versões da história, em vez de sete palmos são sete metros, mas em ambas a pedra se desloca sozinha para a superfície, até ser encontrada por alguém, que, também segundo a lenda, passará a ter sorte ou azar, dependendo da versão contada. Outra coisa que é comum nessas histórias é que, se alguém possuir uma dessas pedras, sua casa estará protegida contra queda de novos raios.

Por outro lado, pesquisando mais a fundo sobre a questão, descobri que essas pedras na verdade, são apenas isso: Pedras. O formato incomum que elas possuem na verdade não tem nada a ver com a obra de raios e a maioria delas não veio do céu (algumas podem ser meteoritos), mas sim de algum outro lugar ou tempo. Essas pedras na verdade foram esculpidas pelos humanos, aproximadamente do Período Neolítico, última parte da Pré-história, também conhecido como Nova Pedra, Pedra Lascada ou Pedra Polida.


As tais pedras na verdade eram ferramentas de caça e eram esculpidas através do atrito entre duas pedras. Uma base de pedra era molhada e areia era jogada por cima, em seguida a pedra escolhida era esfregada na superfície da outra pedra e a areia servia como uma lixa natural que ia polindo a pedra e deixando-o no formato desejado. Esse método, inclusive, ainda é usado ate hoje por algumas tribos indígenas mais conservadoras.


Você então deve está se perguntando: "E o que houve com os cabos e amarras que fixavam as pedras"?
Bem, a madeira se desgasta mais fácil que a pedra com o tempo e essas peças podem variar da data de 2 a até 6 mil anos de idade aproximadamente, e com o tempo a madeira que segurava as pedras simplesmente se desmanchava, junto com as fibras que eram usadas como amarras.
Por outro lado, algumas peças já foram encontradas dentro de rios ainda com os cabos e até mesmo com as amarras, pois a água consegue conservar a madeira por muito mais tempo, diferente da terra.

Apesar de todos esses indícios científicos comprovados, ainda há quem jure de pé junto que essas tais pedras são realmente produzidas pelos raios, enquanto outros descartam completamente essa hipótese.

Porém, existe um outro fenômeno que também é ligado aos raios e que tem uma história um tanto parecida, mas ao contrario das "pedras de raio" esses têm sua comprovação científica confirmada. Estou falando do Fulgurito.


Diferente das "Pedras de Raio" o Fulgurito tem um aspecto retorcido e alongado, totalmente irregular e aleatório, que lembra o tronco de uma árvore ou uma raiz. Eles também são conhecidos como "Raios Petrificados" por assumirem a aparência do raio que o criou, ou pelo menos parte dele.

A temperatura de um raio chega facilmente aos 1800º C e quando essa alta temperatura entra em contato com os grãos de areia, uma ação química acontece e algo semelhante a fabricação do vidro é rapidamente produzido diretamente no interior do solo, em uma velocidade muito mais rápida, formando uma interessante escultura vítrea.


Os Fulguritos são ocos por dentro e são muito frágeis. Por dentro eles possuem uma aparência mais semelhante ao vidro, enquanto por fora, os grãos de areia dão uma aparência mais granulada, áspera e frágil.

O fenômeno ocorre quando a alta temperatura do raio se encontra com a areia, que é rica em sílica, um dos principais componentes do vidro. Isso faz com que as partículas se unam e formem a delicada estrutura, deixando a mesma no formato do raio.

Alguns pesquisadores acreditam que foi observando os fulguritos que o ser humano aprendeu a produzir o vidro. Embora essa seja apenas uma teoria, é uma hipótese bem válida se considerarmos o Fulgurito.

As estruturas geralmente ficam enterradas, mas com a movimentação natural do solo causado pelo vento e chuva, elas podem ser expostas e até mesmo serem removidas. Normalmente são encontradas em áreas de dunas e para que sejam removidas, é necessário escavar cuidadosamente o solo para não danificar a estrutura. Já pensou tem uma dessas em casa?

Mas e vocês, são do time que acredita nas Pedras de Raio? Já acharam alguma dessas coisas na sua casa ou em outro lugar? Conhecem alguém que saiba de alguma história a respeito? Contem ai nos comentários que vou adorar saber! Se preferir também podem deixar sugestões do que vocês gostariam de me ver falando aqui no blog. Se não souber, prometo que vou pesquisar a fundo sobre o assunto e trazer alguma coisa legal aqui pra vocês. Por hoje é só.

Até a próxima!!!

quarta-feira, 16 de janeiro de 2019

As Cores do Ano

Durante o ano, várias campanhas são realizadas com o intuito de conscientizar a população sobre os cuidados que devem ser tomados para evitar e tratar alguns problemas de saúde.
Essas campanhas normalmente utilizam cores para representar a causa, cores que sempre têm um motivo específico de serem escolhidas e que dão uma ênfase maior ao assunto em questão. Assim como as cores, as campanhas são bem diversas e podem ser bem conhecidas ou nem tanto assim.


Dentre as campanhas desse tipo, as mais conhecidas estão a do Outubro Rosa e o Novembro Azul. Comemoradas nos respectivos meses, ambas com finalidades parecidas e amplamente divulgada pela mídia, atualmente são conhecidas mundialmente, ao ponto de cidades inteiras, desde Rio de Janeiro à Paris, decorarem seus pontos turísticos principais com as cores da campanha.


Além delas, também existem outras campanhas em outros meses do ano e com cores diferentes ou mesmo repetidas. Dentre elas temos: Abril Verde (Saúde e Segurança no Trabalho), Maio Roxo (Doença Inflamatória Intestinal), Junho Vermelho (Doação de Sangue), Julho Amarelo (Campanha contra Hepatites Virais) dentre várias outras que acontecem em nível estadual, nacional ou mesmo mundial.

Outra campanha que vem ficando muito conhecida e que definitivamente deve ser muito divulgada por ter uma finalidade muito linda, é a campanha do Setembro Amarelo. Ela vem crescendo no decorrer dos anos mas ainda precisa ser bem mais divulga pois sua importância é indiscutível.


A campanha também é internacional, mas sua visibilidade na mídia ainda é bem pequena aqui no Brasil, se comparado ao Outubro Rosa e ao Novembro Azul. Apesar disso, é comum ver pessoas compartilhando frases de motivação e apoio nas redes sociais.

Infelizmente isso ainda não é o suficiente. O número de suicídios vêm crescendo bastante nos últimos anos e entender melhor as causas que levam uma pessoa a tomar medidas tão desesperadas pode ajudar e evitar que esse número continue crescendo e que mais vidas sejam perdidas conforme os anos passam - a maioria jovens.


É muito importante também lembrar que o julgamento das pessoas pode agravar ainda mais a situação de quem já está sofrendo. Cada pessoa tem seus próprios problemas e criticar alguém por pensar em suicídio por não saber como agir, como resolver aquela situação, é no mínimo irresponsável, e principalmente insensível. O ideal é sempre buscar ajuda profissional, mas se isso parecer assustador demais, tente desabafar com alguém de confiança e que tenha certeza de que não irá julga-lo. Porém vale ressaltar que uma ajuda profissional deve sempre ser a primeira opção a ser considerada, pois ele saberá melhor como identificar e tratar o problema e ajudará a entender com mais clareza questões que pareciam sem solução, mas que depois dessa ajuda acabam revelando um ponto de saída que pode dar um alívio para a mente e o coração.


Ainda num assunto semelhante ao do Setembro Amarelo, outra campanha também foi criada voltada para o lado psicológico humano, porém de uma forma mais abrangente. O Janeiro Branco tem como foco a Saúde Mental. A campanha nasceu no ano de 2014 e desde então vem crescendo e contando com o apoio de vários profissionais da área.


Quando se fala em saúde mental, muitas pessoas já associam à loucura e nem sempre esse é o caso. A mente é uma coisa delicada e precisa muito da atenção. Como o próprio slogan da campanha sugere: Cuidar da mente é cuidar da vida. Uma mente saudável contribui para um corpo saudável e bem-estar de um modo geral.


Uma conversa com um psicólogo não é para falar apenas de problemas mais sérios, a função desse profissional vai muito além disso. Ele pode ajuda a lidar com problemas "mais simples" com uma ansiedade ou mesmo com algo como uma autoaceitação ou uma fobia, por exemplo.
Problemas simples ou nem tanto assim, que no final, sem a devida atenção, podem acabar se complicando e trazendo problemas que podem gerar consequências para a vida toda. Então, que tal aproveitar o mês de janeiro e marcar sua consulta? Ou mesmo desabafar com um amigo? Qualquer problema pode ficar mais fácil, mais leve se você desabafar. O importante é saber que você não está sozinho e sempre haverá pessoas que estarão dispostas a ouvir e ajudar você.


Janeiro é o primeiro mês do ano, a cor branca representa uma tela em branco, um novo recomeço. A caneta é você quem tem em mãos. Resta agora escrever uma nova história e preparar um final feliz, pois você merece viver bem, merece ser plenamente... Feliz!

Se você se interessou e quer saber mais sobre a campanha Janeiro Branco, Clique aqui para ser direcionado para o site Psicologia Para Curiosos, onde encontrar mais informações sobre a campanha bem como vários outros temas sobre psicologia e saúde mental.
Na duvida, procure um Psiquiatra ou um Psicólogo mais próximo de você e agente uma consulta. Não tenha vergonha, pois não há nada do que se envergonhar. O foco é sua saúde.

Você já passou ou conhece alguém que passou por alguma situação ruim mas que conseguiu superar? Deixe nos comentários a sua história que teremos prazer em ler.
Grande abraço e até a próxima.